Admito que tenho problemas com William Gibson. A minha resenha sobre Neuromancer gerou muita polêmica entre meus colegas que argumentaram que eu não entendia a importância de sua contribuição. Entendo perfeitamente este ponto. Acho que o Gibson foi importante ao estabelecer um novo tipo de histórias baseadas em um futuro não tão distante. Suas histórias sempre possuem um teor de crítica social. Mas, não podemos confundir inovação com uma história mediana.

Em Reconhecimento de Padrões já foi possível perceber uma evolução na maneira de conceber os personagens. Afinal, de nada adianta eu ter um mundo ricamente formulado se os meus personagens não são capazes de entregar uma boa história. Mas, Reconhecimento de Padrões tem vários anos de diferença em relação a Neuromancer.

Count Zero é o segundo volume da Trilogia Sprawl. Neste volume, Gibson expande um pouco mais o mundo concebido em Neuromancer. Nos apresenta novos personagens enquanto faz referências a alguns antigos. Achei um ponto muito positivo neste livro. O mundo cresce bastante ao mesmo tempo em que vemos personagens conhecidos como o Finlandês. Os conflitos entre corporações são ampliados ao aparecer um sucessor pelo vácuo deixado pela Tessier-Ashpool.

Na história, Bobby Newman teste um novo tipo de software que permitiria quebrar até mesmo firewalls poderosos de grandes corporações. Mas, algo dá errado e ele quase morre. Só que aparece uma estranha presença que salva Bobby Newman de sua inevitável morte. Ao mesmo tempo, Conroy está em uma missão para salvar a filha de seu chefe quando é traído pelo seu parceiro Turner. E, no meio de tudo isso Marly Krushkova está para se encontrar com Josef Virek, um estranho empresário que a envia em uma missão para buscar um biosoft, um novo tipo de software que mescla espiritualidade e tecnologia.

Mais uma vez são as personagens femininas quem dão as rédeas da história. Marly é responsável pelos momentos mais interessantes do livro. Sua investigação sobre Virek e a sua ida até o antigo satélite da Tessier são os momentos que empolgam na história. Já a parte de Bobby me incomoda um pouco. Entendo que ele é o protagonista e seus capítulos englobam boa parte da mitologia por trás do enredo no livro. Vou discutir essa mescla de espiritualidade e tecnologia mais abaixo. O que me incomoda novamente é a passividade do personagem diante da história. Mesmo protagonistas fracos em outras histórias, eles acabam fazendo a história seguir ao se deparar com um obstáculo. Geralmente, alguma coisa acontece: ou o protagonista atravessa o obstáculo ou ele cai ou desiste. Em Count Zero, Bobby Newman não faz nada dessas coisas. A história é que parece empurrá-lo adiante de alguma forma; ou seja, não é personagem que faz a história seguir, mas a história que faz seguir o personagem. É difícil explicar adequadamente. Vamos dizer que o personagem não toma nenhuma decisão, não realiza nenhuma escolha durante a história. Mesmo quando ele se vê diante de uma decisão difícil que afeta todo o seu grupo, ele não diz sim ou não, mas a força externa que o auxilia é quem diz sim.

Os biosofts são muito interessantes na história. E o autor escolhe a mitologia haitiana para mesclar com os conflitos entre corporações. As interações com Papa Legba são muito bacanas. Talvez isto tenha levantado um pouco mais a minha análise da história. E o fato de Marly ter me lembrado muito outro personagem do Gibson: Cayce Pollard de Reconhecimento de Padrões que é a minha favorita de suas histórias (Molly é uma personagem muito interessante, mas Cayce foi melhor construída). O autor tem alguns posicionamentos sobre espiritualidade que vale a pena ser observados. Prefiro deixar no ar para que os leitores possam apreciar melhor.

O tema comum em Neuromancer e Count Zero é a crítica ao individualismo. Neste mundo corporativo, as pessoas vivem em seus cômodos afastados umas das outras. Habitam cubículos, acessam seus chips para entrar na rede e se comunicam pouco umas com as outras. É um mundo decadente em que cada indivíduo desconfia do outro. Por desconfiar, não quer estabelecer relações com os outros. No fim da história, apenas a união entre os diversos grupos atuantes é capaz de derrotar os antagonistas da história. Um momento onde cada um empresta sua habilidade para formar um grupo coeso. Tudo em prol de um objetivo comum. Em Count Zero, Gibson trabalha com o individualismo, mas diferente do primeiro livro, ele mostra como é importante a união das pessoas.

Enfim, recomendo a leitura. Count Zero tem uma pegada diferente de Neuromancer. As benditas referências pop continuam presentes, mas incomodam menos do que no primeiro livro. A gente sente que elas fazem parte integrante do mundo em questão, e não são apenas flavor. Ou seja, não são apenas a cerejinha por cima do bolo. Existe um objetivo para a sua presença ali; algo importante para o andamento da história. Count Zero tem um bom clima, personagens interessantes (esqueçam Bobby Newman, foquem-se nos outros personagens) e dá uma boa continuidade na história.

Anúncios