20000 leguas

Após analisarmos algumas obras de Wells, nada melhor do que apontarmos algumas características marcantes de Jules Verne. Decidi, portanto, pegar duas obras marcantes do autor: 20.000 Léguas Submarinos e A Volta ao Mundo em 80 Dias.

Antes, dois avisos básicos:

a) Gostaria de agradecer aos poucos visitantes que doam uma parte do seu tempo para visitar o blog. Sintam-se à vontade para comentar ou para tecer críticas. Sei que minha capacidade como blogueiro é pequena e meu tempo é extremamente curto, mas faço aquilo que posso.

b) Atualmente estou terminando de ler o livro Blindsight, de Peter Watts. Leitura dura e, por vezes, chata, mas está terminando. Para acompanhar o que ando lendo, basta acessar o meu perfil no goodreads: é Paulo Vinicius Figueiredo dos Santos.

c) Para aqueles que são fãs de Jules Verne, a editora Publisher decidiu publicar no Brasil, quinzenalmente, a coleção Biblioteca Jules Verne publicada na Espanha pela editora RBA. Dei uma olhada na edição (sou um pouco chato quanto a edições de livro… depois explico as minhas razões em outro post), não gostei de alguns cortes feitos na capa. Na parte de trás da capa ficava um outro símbolo em dourado, mas tudo bem… perdoável. Mas, o que mais me impressionou de uma forma positiva foi a tradução. Nada como uma tradução comentada para explicar as escolhas feitas ao longo do processo. Adoro quando o tradutor se permite ser humano e admitir que pode errar. Algumas edições a tradução é péssima e não há nenhum comentário em notas de rodapé a respeito.

Mas, enfim, edição lindíssima, em capa dura ao estilo antigo, com detalhes em dourado na parte da frente. Só isso já garante a resistência do livro, diferente de algumas encadernações em que o livro se desfaz na sua mão. A qualidade do papel é excelente também, sendo um papel mais amarelado, de alguma espessura. O marcador de texto é em fita, também muito vintage. Foram mantidas também as ilustrações originais, excelente detalhe também, respeitando as origens. O primeiro volume é A Volta ao Mundo em 80 Dias e vou ler em breve (pela enésima vez) para ver se a obra foi ou não bem traduzida.

20.000 Léguas Submarinas é provavelmente uma das obras mais famosas de Jules Verne. A história é sobre um homem chamado Capitão Nemo que possui um enorme submarino chamado Nautilus. Este submarino é imenso, possuindo vários compartimentos sendo completamente auto-suficiente. Além disso, o Nautilus é movido a base de eletricidade. O enredo ganha forma quando um grupo formado pelo professor Aronnax (um intelectual naturalista), o seu criado Conseuil (conselheiro, em francês), e o arpoeiro Ned Land caem ao mar após o naufrágio de seu navio Abraham Lincoln. Nemo resgata os três e os torna prisioneiros do Nautilus. Eles não podem jamais abandonar o Nautilus, mas logo acabam despertando um instinto de amizade por Nemo. O objetivo do capitão é viver diversas aventuras em um submarino que cortara as ligações com os continentes, sobrevivendo daquilo que eles encontram no mar.

A ideia central da história é alguém indo a lugares maravilhosos e vivendo aventuras fantásticas. Esse é um tema muito comum nas primeiras histórias de ficção científica: a descoberta do exótico, do maravilhoso. Discutiremos esse tema posteriormente já que as robinsonadas (como são chamadas as histórias cujo tema central são as viagens fantásticas) serão parte do sucesso das pulp magazines da década de 20 nos EUA.

Entre os personagens da história, o professor Aronnax é um dos que ganham bastante destaque junto com Nemo. Aronnax é um homem que vive em seu próprio mundo junto com suas teorias matemáticas e teorias sobre o corpo humano. Ele representa o mundo da ciência, um homem que, apesar de ser um cientista genial, não tem o trato social adequado ficando à margem. Para colocar Aronnax no nível do mundo, fazê-lo se dar conta da importância do  mundo comum, está Ned Land. Ele age como um homem experiente e responsável. Existe uma relação satírica entre Ned Land e Aronnax: sempre que Ned aparece com algum problema comum, Aronnax não consegue resolver. O senso comum parece não fazer parte do seu conjunto de ideias.

Já o capitão Nemo é um homem repleto de habilidades. Ele foi o responsável direto pela construção desse submarino maravilhoso. Cabe aqui destacar que Nemo faz o possível para manter o Nautilus um segredo para a humanidade. O capitão é capaz de ler em vários idiomas, sendo, portanto, um homem letrado. Nemo parece ser um personagem construído tendo como base os grandes cavaleiros de outrora, mas adaptado a uma realidade que abria as portas para a tecnologia. Podemos ver no personagem um desejo para melhorar a humanidade. Por isso, não se alia a nenhum país, mas compreende que poder e conhecimento devem ser usados para o bem da humanidade.

Não devemos subestimar a capacidade de escrita de Verne. Existe muita reflexão em suas obras. Normalmente Verne é considerado como alguém que escreve para um público infanto-juvenil (isso nos dias de hoje). Mas, muitas de suas ideias eram extremamente originais para o período em que ele teve sua produção. Sua importância foi fundamental para este período de formação daquilo que conheceremos como ficção científica. Veremos na próxima postagem como algumas de suas ideias eram imbuídas até de crítica social.

Anúncios